Dermatologia

O que é?

O corpo humano possui diversas glândulas sebáceas que estão localizadas na derme, uma das camadas da pele, e têm a função de produzir e secretar o sebo. Ao contrário do que normalmente se acha, o sebo é importante e benéfico porque protege os pelos, lubrifica a pele e tem ação bactericida – entre outras funções.

Em certo ponto, ocorre a ligação entre o pelo e a glândula sebácea e se formam as unidades pilo-sebáceas. O sebo passa por essa estrutura para ser secretado. 

Algumas situações provocam uma hiperprodução do sebo pelas glândulas sebáceas e causam um ‘entupimento’ no canal de saída, que é estreito. Quando isso acontece, a Acne se forma.

Quais os tipos e causas da Acne?

A Acne é o nome geral dado para essas inflamações, mas ela se ramifica em mais de um tipo e grau.

O primeiro grau, o mais leve, forma os comedões, popularmente conhecidos como cravos. Esse tipo de acne costuma não inflamar muito (não causam as espinhas). Já o Grau II é composto pelo desenvolvimento de uma quantidade maior de cravos e também de espinhas avermelhadas (chamadas de pápulas) e pústulas, as espinhas com pus.

No terceiro estágio, o paciente apresenta os três tipos (comedões, pápulas e pústulas) com lesões profundas e doloridas – bastante inflamadas. Nesses casos ocorrem até formações de cistos.

No penúltimo grau, o Grau IV, o quadro do nível anterior permanece, mas ocorre uma grande incidência de cistos com formação de abcessos (bolsa de acúmulo de pus) e fístulas (são espaços alternativos que o corpo cria para tentar expelir e drenar o pus que está ‘dentro’ da pele).

O Grau V, e mais grave de todos, une os sintomas dos graus III e IV de maneira muito intensificada provocando dores intensas e até febre por conta das altas inflamações.

Em essência, a causa da Acne é a grande produção do sebo e a dificuldade em secreta-lo por obstruções nas unidades pilo-sebáceas. Mas alguns fatores influenciam esse processo.

O aparecimento de cravos e espinhas (acne juvenil) costuma ser mais comum na adolescência, no período da puberdade. Nessa fase ocorre um aumento na produção dos hormônios andrógenos (sexuais), que regulam a produção das glândulas – resultando no aumento da produção do sebo.

A genética também é uma das causas da Acne, já que existe uma tendência hereditária para desenvolver a inflamação.

O uso contínuo de alguns medicamentos (como os que contêm corticoides e os hormônios andrógenos) e produtos cosméticos também podem resultar no surgimento da Acne. Nesses casos é importante conversar com um médico dermatologista para saber quais cremes, óleos, pomadas e remédios ajudam na formação dos cravos e espinhas.

A proliferação da bactéria Propionibacterium acnes resulta, também, em Acne. Ela é uma bactéria normal da pele, mas acaba colonizando os folículos quando há hiperprodução de sebo pelas glândulas sebáceas. 

Sintomas

Os sintomas da Acne são, basicamente, os cravos e as espinhas. Em alguns casos, nos mais graves, eles vêm acompanhados de dor, rosácea, febre, cistos e até nódulos.

Os locais mais comuns para o desenvolvimento da Acne são o rosto, as costas e o tronco por conta da quantidade de glândulas sebáceas dessas regiões. Os casos mais graves têm maior incidência em homens, mas não existe um consenso dos motivos que levam a isso.

Alguns estudos também mostram que o estresse é um percussor dos quadros de Acne.

Diagnóstico

O paciente que apresenta Acne deve procurar um médico dermatologista. Um exame clínico simples (com análise dos sintomas e exame físico) costuma ser o suficiente para concluir o diagnóstico. É importante procurar um especialista para evitar confusões de sintomas, como os causados pela Dermatite Perioral, por exemplo, que causa pequenas lesões avermelhadas ao redor do nariz e da boca.

Nos casos mais graves, o médico avalia a presença de cistos, nódulos e cicatrizes (presentes ou que podem se formar a partir das inflamações presentes) para indicar o melhor tratamento.

Tratamento

As espinhas e os cravos não costumam estar ligados a outros problemas de saúde, mas são responsáveis por constrangimentos sociais, como bullying, e problemas psicológicos (dificuldade para se relacionar, baixa autoestima, etc.). Os tratamentos ajudam a diminuir não só a Acne, mas também essas complicações.

Nos casos mais leves, podem ser indicados tratamentos cosméticos com uso, por exemplo, de cremes e sabonetes.

Conforme a gravidade aumenta, o médico pode receitar uso de antibióticos, anticoncepcionais para mulheres, Isotretinoína oral (o conhecido Roacutan), Peróxido de benzoíla e ácidos, além de sessões de peelings, laser e outros tratamentos estéticos para minimizar as marcas deixadas pelas espinhas e cravos.

É importante que o paciente que apresenta Acne mantenha uma alimentação saudável com alimentos ricos em anti-inflamatórios – para isso, vale procurar a ajuda de um nutricionista. Manter a pele sempre limpa, evitando mexer (a famosa cutucada) nas lesões para não gerar cicatrizes, também é uma dica valiosa.

Rua Brigadeiro Gavião Peixoto, 389

Lapa - São Paulo - SP

CEP: 05078-000

Telefone: (11) 3643-5833