Holter digital

holter digital

O que é o Holter Digital?

Nada é mais importante do que preservar e monitorar a saúde do corpo humano e isso também serve na hora de avaliar se as funções de cada um dos órgãos estão sendo plenamente desempenhadas. O avanço da medicina possibilitou a criação de aparelhos que fazem esse monitoramento e apontam com precisão no caso de haver alguma anormalidade ou falha nos órgãos. É o caso do holter digital, tido com um dos principais exames do coração.

Trata-se de um eletrocardiograma portátil que registra a atividade elétrica do coração, apontando todas as suas variações, conforme os batimentos cardíacos acontecem. No período de 24 horas são registrados os batimentos durante o dia e também quando o corpo está em repouso. Isso serve para identificar possíveis alterações que podem evoluir para quadros de infarto, por exemplo, que no geral não aparecem em um exame com tempo mais limitado.

O aparelho foi inventado em 1949 por Norman J. Holter, que transmitiu a uma distância de 15 metros um sinal de eletrocardiograma e, por isso, recebeu esse nome em sua homenagem. O protótipo pesava quarenta quilos e era carregado dentro de uma mochila. Desde então, ele passou por uma série de processos tecnológicos para tornar o manuseio mais acessível e a leitura de dados cada vez mais precisa. Comprovando a eficácia do aparelho, a equipe da NASA começou a aperfeiçoá-lo para que fosse possível realizar o transporte em viagens espaciais.

Nos dias de hoje, o holter é um aparelho do tamanho de um cartão de crédito, e a espessura do minigravador. Ele tem as medidas de uma caixa de fósforos pesando, apenas, 90 gramas. Os registros dos dados são feitos em um cartão de memória, semelhante ao de uma câmera fotográfica.

O aparelho é considerado por especialistas como um dos mais completos e modernos exames cardiológicos, ajudando a prevenir casos como os de infarto, e sendo um grande aliado no monitoramento após a realização de cirurgias cardíacas.

Como os processos tecnológicos utilizados para fazer o exame mudaram ao longo dos anos, o aparelho, que antes era analógico, passou a ser digital. A maioria deles é controlada por computadores que também auxiliam na análise e proporcionam resultados mais rápidos e diagnósticos mais precisos.

Como é realizado o procedimento?

O holter digital é preso na cintura do paciente ao tórax por fios e eletrodos que fazem o registro de todas as atividades às quais ele irá se submeter no decorrer do dia, como trabalhar, andar, correr e dormir - no mesmo ambiente e nas mesmas circunstâncias que provocaram sintomas ou suspeitas de doenças.

Para que o procedimento seja realizado, a pele do corpo deve estar totalmente limpa, sem cremes. Após a aplicação de álcool, serão fixados de três a oito eletrodos no tórax do paciente e eles são posicionados no corpo em posições determinadas pelo médico especialista. Esses eletrodos são conectados por fios a um receptor que fica preso no cinto ou no bolso da camisa do paciente. Durante todo o período em que está conectado, o aparelho realiza o registro da atividade cardíaca. O paciente poderá fazer todas as atividades do cotidiano, menos tomar banho.

No geral, o procedimento é bastante simples. Os eletrodos levam de dez a quinze minutos para serem colocados e cinco minutos para serem retirados. Os dados captados pelo aparelho são analisados por um computador e os resultados entregues ao profissional que irá indicar quais são os procedimentos a ser adotados após o exame.

Os pacientes são orientados a fazer um registro de atividades ao terem os batimentos cardíacos monitorados. No caso de algum sintoma, como sensação de desmaio, os dados do aparelho serão comparados juntamente com a atividade registrada e os sintomas.

Quais doenças podem ser identificadas através do procedimento?

Várias doenças podem ser identificadas através do exame com holter, entretanto, ele é mais indicado para casos de disritmia e arritmia cardíaca, situações em que há alterações nos batimentos cardíacos.

O holter também é útil para descobrir casos de síncope (um mal súbito que causa perda dos sentidos por causa de uma deficiência na irrigação sanguínea). Porque pacientes com um ou mais episódios de desmaios, quando chegam ao consultório médico, geralmente já recuperaram os sentidos e não apresentam mais nenhum sintoma. Já em um exame com duração de 24 horas, é possível detectar alterações que indiquem casos de arritmia grave.

O exame ainda pode ser realizado após alguma cirurgia cardíaca, para analisar o desempenho do órgão, como no caso de uma angioplastia (cirurgia que repara vasos deformados), ou infarto, indicando se o paciente deve ou não retomar as tarefas diárias.

Quando é preciso realizar o procedimento com o Holter?

Entre os sintomas que podem levar um paciente a ser submetido ao holter digital estão desmaios, palpitações, tonturas, arritmias, suspeita de fibrilação atrial, controle após uso de medicações que possam afetar o sistema cardíaco, acompanhamento após cirurgia cardíaca, entre outros.

Preparação para o exame

Os pacientes que irão se submeter ao exame, utilizando por 24 horas o eletrocardiograma portátil, devem ficar atentos a algumas indicações: tomar banho antes da realização do exame e não usar cremes na pele antes do procedimento. No caso de portadores de algum aparelho como marca-passo, o paciente deve trazer a carteirinha de identificação do aparelho para cópia das informações.

No período que permanecer com o holter, é recomendável que o paciente não deite sobre travesseiros ou colchões magnéticos. As ondas energéticas emitidas por eles podem causar interferência, impedindo a gravação da atividade elétrica do coração. Entretanto, é permitida a utilização de aparelhos celulares, micro-ondas e aparelhos eletrodomésticos.

Quais são os cuidados necessários após a realização do exame?

Após a retirada do holter digital, é recomendado que o paciente utilize creme hidratante, não exponha a pele do tórax ao sol de três a cinco dias e, no caso de apresentar lesões nos locais onde foram fixados os eletrodos, entrar em contato com o médico responsável.

Caso o paciente possua qualquer dúvida sobre a realização do exame, é recomendável que ele anote essas questões e faça as perguntas ao especialista, com o objetivo de realizar o exame da maneira correta e sem nenhum tipo de interferência.

Rua Brigadeiro Gavião Peixoto, 389

Lapa - São Paulo - SP

CEP: 05078-000

Telefone principal / WhatsApp
(11) 3643-5833

Telefone alternativo
(11) 3832-9880