Gastroenterologia

O desenvolvimento do CG, induzido pela infecção do H. pylori, compreende um processo contínuo e evolutivo a longo prazo, por meio de uma sequência de lesões pré-cancerosas e alterações histopatológica na mucosa gástrica, incluindo gastrite crônica até gastrite atrófica, metaplasia intestinal, displasia e neoplasia.

Isso decorre de um complexo processo de múltiplas variações envolvendo genética múltipla e alterações epigenéticas de oncogenes, supressores de tumor, genes de reparação, reguladores do ciclo celular e moléculas de sinalização.

H. pylori , é uma bactéria gram-negativa encontrado na superfície luminal do epitélio gástrico em processos infecciosos, são em forma de espiral com flagelos polares; foi isolado pela primeira vez por Warren e Marshall, em 1983.

A colonização da mucosa gástrica por H. pylori ocorre geralmente na infância, com maior vulnerabilidade em crianças cujo padrão socioeconômico é precário, particularmente nos países em desenvolvimento.

Seu mecanismo de transmissão ainda não está totalmente claro; de grande importância prática as principais vias são oral-oral, oral-fecal e gastro-oral. Devido a recorrência da infecção entre indivíduos de uma mesma família, a transmissão intrafamiliar têm sido atribuído como o modo predominante de contaminação.

Baseado em artigos da literatura, câncer gástrico (CG) é uma doença maligna do estomago cuja manifestação corresponde a um crescimento descontrolado das células e assim como outros tumores malignos possuem a capacidade de migrarem de seu local de origem, disseminando-se para sítios distantes; a maioria tem origem glandular sendo considerados adenocarcinomas.

Tradicionalmente o CG é dividido em dois tipos histológicos principais, o tipo intestinal e o tipo difuso, de acordo com a classificação de Lauren (Lauren, P.; 1965), consiste em uma classificação de base morfológica; dividindo os carcinomas gástricos em tipo intestinal e tipo difuso. A infecção com H. Pylori está relacionada à ambos os tipos de carcinoma; outras classificações podem ser caracterizadas a fim de ajudar no prognóstico dos diferentes tipos de tumor e deverá ter relação com a histogênese e, se possível, com a etiologia dos diferentes tipos de tumor.

Dados atuais indicam que a erradicação do H. pylori em indivíduos infectados e sem apresentação de lesões pré-cancerosas, resulta em diminuir significativamente o risco de CG. O tratamento de primeira linha de acordo com a Federação Brasileira de Gastroenterologia-FBG (Abril, 2012) segue um esquema terapêutico baseado nas recomendações dos consensos (Espanha, 2005; Brasil, 2005; Itália, 2007; AGA, 2007; Maastricht, 2007; China, 2008; Ásia-Pacífico, 2009, considera a tríplice terapia como sendo um esquema padrão; com o uso de um agente inibidor da bomba de prótons-IBP e mais dois agentes antimicrobianos.

No entanto, ao longo do tempo a bactéria adquiriu resistência a algumas classes de antibióticos como, por exemplo, a claritromicina, o metronidazol e a amoxicilina considerados os mais importantes na terapia de erradicação. À luz da evidência científica, este trabalho tem por objetivo compreender a patologia do câncer de estomago associada a infecção pelo Helicobacter pylori, bem como os seus mecanismos de transmissão, prevenção, erradicação e diagnóstico.

Fonte: PORTAL EDUCAÇÃO - http://www.portaleducacao.com.br

Rua Brigadeiro Gavião Peixoto, 389

Lapa - São Paulo - SP

CEP: 05078-000

Telefone principal / WhatsApp
(11) 3643-5833

Telefone alternativo
(11) 3832-9880