Ginecologia

O que é?

O HPV (vírus do papiloma humano) é responsável por gerar o condiloma acuminado (também conhecido como verruga genital, crista de galo, figueira, ou cavalo de crista), que é uma doença sexualmente transmissível (DST) propagada pelo contato sexual. O vírus do papiloma humano se instala na pele e nas mucosas do corpo humano, originando verrugas (como verruga na virilha) e lesões que podem gerar alguns tipos de câncer (como o câncer de colo de útero, o câncer garganta, ou o câncer de ânus).

Calcula-se que existam mais de 100 tipos de HPV e estima-se que no Brasil a doença atinja cerca de dois milhões de pessoas por ano, fazendo com que o condiloma acuminado seja a doença sexualmente transmissível mais frequente. Na maior parte dos casos, o HPV pode ficar no corpo humano em sua forma latente, ou seja, sem manifestação. Em casos como esse, o HPV não apresenta sintomas e os pacientes eliminam o vírus do organismo naturalmente sem apresentar qualquer tipo de sintoma, o que não elimina os cuidados com prevenção.

Quais as causas? 

O contágio ocorre após o contato sexual com um paciente contaminado pelo vírus do papiloma humano e, independente do portador do vírus não apresentar sintomas, ele pode ser transmitido para outra pessoa.

Outras maneiras de transmissão mais raras podem ocorrer por meio de contato da pele com as verrugas do HPV; pela transmissão da mãe para o bebê durante o parto e, em casos incomuns, pelo compartilhamento de itens de higiene pessoal, como toalhas.

Quais os sintomas?

Muitas vezes o HPV não apresenta nenhum tipo de sintoma, porém, em casos onde eles são visíveis, os sintomas do vírus do papiloma humano envolvem verrugas ou lesões na pele, mais presentes na região genital, como verruga na virilha e verruga genital. O HPV também pode se manifestar na boca em forma de verrugas nos lábios, bochechas ou língua e, inclusive, na garganta. O paciente pode sentir dor no local das verrugas, além de irritação e coceira nas regiões do corpo onde a doença está instalada (genitais, boca, língua, etc.). É importante ressaltar que o HPV também está relacionado com certos tipos de câncer.

Diagnóstico

O diagnóstico do HPV é feito por meio de exames que possam mostrar ao paciente que ele apresenta o vírus do papiloma humano. Dentre alguns dos exames feitos estão:

Papanicolau

O Papanicolau é um exame ginecológico realizado em mulheres para prevenir o câncer do colo de útero. O exame analisa as células presentes no colo do útero e, caso haja displasia (alteração das células cervicais), a paciente pode ser diagnosticada com HPV.

Colposcopia e Peniscopia

Realizado por meio do colposcópio, o exame permite que o médico especialista identifique lesões na vulva, na vagina, no colo do útero, no pênis e na região anal. Caso haja alteração, será feita a biópsia na região lesionada para confirmar se há mesmo um caso de HPV.

Tratamento

O tratamento para o condiloma acuminado pode envolver o uso de medicamentos receitados pelo médico especialista para eliminar as lesões causadas pelo vírus do papiloma humano, associado a remédios para melhorar a imunidade do paciente.
É importante ressaltar que não existe cura para o vírus, porém existem procedimentos médicos utilizados para a eliminação das verrugas típicas da doença. Dentre eles o mais comum é a cauterização, que consiste em destruir o tecido afetado pelo HPV utilizando frio, ou calor e assim, eliminando as verrugas. Outros tipos de procedimento envolvem o congelamento; a conização cervical; a criocirurgia, a eletrocirurgia, e o procedimento de excisão eletrocirúrgica com alça.

Prevenção

A maneira mais simples de evitar o contato por HPV é a prevenção. A vacina contra o HPV é a principal forma de prevenção e tem como objetivo evitar a doença e o câncer do colo do útero. No Brasil, os dois tipos de vacinas administradas são a vacina quadrivalente e a vacina bivalente. Elas costumam ser aplicadas a partir dos nove anos de idade, antes das crianças se tornarem sexualmente ativas.

O uso de preservativo também é recomendado. A média de proteção para evitar o contato com vírus do papiloma humano é de 70% a 80%, além de prevenir o contato com outras doenças sexualmente transmissíveis como a sífilis, a AIDS, a hepatite, entre outras.

Tanto homens, quanto mulheres devem realizar exames preventivos para detectar uma possível chance de ter HPV. As mulheres devem realizar exame ginecológico periódico, além do exame de Papanicolau.

Mais Informações

Nos quadros de HPV, é possível que haja uso de medicação para tratar a doença e eliminar as verrugas causadas pelo vírus do papiloma humano. É importante lembrar que quando o HPV é manifestado, causando lesões e possíveis casos de câncer, ele precisa de acompanhamento médico. Ao suspeitar de qualquer alteração na região, como verruga na virilha, ou verruga genital, a primeira medida a ser tomada é consultar um médico especialista no assunto: evite qualquer tipo de automedicação.

Rua Brigadeiro Gavião Peixoto, 389

Lapa - São Paulo - SP

CEP: 05078-000

Telefone: (11) 3643-5833