Pneumologia

O que é?

Os brônquios são estruturas responsáveis por levar ar aos pulmões. A inflamação dos brônquios é denominada de bronquite. Uma de suas características é o aumento da produção de secreção nos brônquios em decorrência do processo inflamatório.

Existem alguns tipos de bronquites, que são definidos com base no agente causador e no tempo de duração da crise de bronquite.

O tipo de bronquite mais freqüente é a bronquite aguda, considerada de curta duração. Ela geralmente está associada a resfriados e gripes.

Já a bronquite crônica é considerada mais séria. Neste caso a inflamação tem uma duração de mais de três meses, mesmo com o seu tratamento, e pode estar associada a outras doenças pulmonares, como o enfisema pulmonar.

Outro tipo existente é a bronquite asmática, onde ocorre o acúmulo de secreção em decorrência de alergias como a rinite.

Quais as causas?

Nas bronquites agudas geralmente a causa é a infecção por vírus, como o rinovírus e influenza, bem como pode ser conseqüência de resfriados e gripes. Ela também pode ser causada por fungos e bactérias, podendo evoluir para pneumonia.

Na bronquite crônica o maior causador é o fumo, que provoca uma irritação na mucosa presente nos brônquios e conseqüente processo inflamatório. Além do fumo, a poluição e inalação de substâncias tóxicas que podem estar presentes em alguns ambientes de trabalho também podem levar ao quadro de bronquite crônica.

Já a bronquite asmática é causada por fatores que provocam alergias como ácaros, pelos de animais, poeira, mofo, entre outros.

Quais são os grupos de risco?

Fazem parte do grupo de risco idosos, crianças e bebês, apesar de jovens e adultos poderem apresentar a doença.

Os fumantes e pessoas que ficam expostas à poluição e a outros agentes inalantes como alguns gases também correm mais riscos de ter bronquite.

Além destes, indivíduos que se encontram com baixa imunidade, que tem refluxo gástrico e histórico de doenças cardíacas e outras doenças pulmonares, estão predispostos à bronquite.

Quais os sintomas?

O principal sintoma referido é tosse. Esta pode ser seca ou vir acompanhada de muco (catarro), que pode ser transparente, esbranquiçado, amarelo ou verde. Nestes casos, pode ser um indício de infecção bacteriana.

A falta de ar ou a dificuldade para respirar é um outro sintoma e pode haver um ruído ou chiado durante o mecanismo de respiração.

Alguns pacientes podem apresentar febre. O cansaço e dores no peito também podem ser relatados. Além disso, pode ser notado o lábio ficar cianótico (roxo ou azulado).

Diagnóstico

O diagnóstico deve ser realizado com base nos sintomas apresentados pelo paciente, além do seu histórico, como doenças cardíacas ou pulmonares pré- existentes, se o paciente é fumante ou não, se exerce atividade profissional que o exponha a riscos, se pratica atividade física ou não, entre outras.

Ao exame físico o médico deverá realizar ausculta pulmonar que possibilita identificar a presença de ruídos e chiados.

O médico também poderá solicitar a realização de exames complementares como o raio-X de tórax, a espirometria, que mede a função pulmonar, a oximetria, que mede a saturação de oxigênio, e o exame de escarro, que possibilita identificar a presença de bactérias.

Tratamento

Durante as crises de bronquite é indicado que o paciente faça repouso e tome bastante líquidos, podendo ser água, chás e sucos. A ingestão de líquidos ajuda a fluidificar o muco.

Para melhorar os sintomas o médico pode prescrever o uso de medicamento broncodilatadores, que melhoram (aumentam) o fluxo de ar pelos brônquios. Os antiinflamatórios e corticóides aerossóis podem ser indicados para a melhora do quadro inflamatório. Além destes, os expectorantes e mucolíticos (reduz a viscosidade do muco) também podem ser prescritos para o tratamento.

Nos casos de bronquite crônica e asmática é necessário se eliminar ou tratar a causa. Os fumantes devem suspender o uso de cigarros, bem como os trabalhadores expostos a agentes ambientais como poluição, poeira e gases devem ser afastados do agente causador.

Em situações onde houver infecções por bactérias e vírus, podem ser indicados o uso de antivirais e antibióticos. Já nos casos onde a causa é de origem alérgica, o médico pode prescrever o uso de antialérgicos.

Quando a capacidade respiratória for muito afetada, como ocorre nas bronquites crônicas, a fisioterapia respiratória é de grande valia para o tratamento.

Rua Brigadeiro Gavião Peixoto, 389

Lapa - São Paulo - SP

CEP: 05078-000

Telefone / WhatsApp
(11) 3643-5833